PEC 37: REJEITADA – DICA DE ATUALIDADES

Salve Salve Alfartanos! Muitas provas estão chegando. Muitos concursos estão prestes a acontecer. Conhecemos muito bem esse nervosismo que acompanha vocês! Mas como sempre, o AlfaCon procura amenizar esse nervosismo através dos nossos projetos, aulões e dicas que servem para que você organize seus estudos e tenha calma no momento da ação. A razão deve ser colocada em prática, a razão deve ser levada em consideração. Não deixe a ansiedade comprometer tudo que você já estudou e toda a preparação que você já conquistou.

Outono Brasileiro – A onda de protestos que marcou o mês de junho de 2013 no Brasil está sendo chamada pela imprensa de “Outono Brasileiro”. O termo é devido a estação do ano em que os protestos ocorreram. Temos que tomar cuidado, pois os movimentos não tem relação com a Primavera Árabe, uma vez que o termo “primavera”, quando usado em movimentos sociais, faz referência a movimentos que lutam pela liberdade democrática, e acontecem dentro de contextos ditatoriais.

O “outono brasileiro” começou com protestos contra o aumento da tarifa no transporte coletivo e rapidamente ganhou as ruas e também expressou outras reinvindicações. O manifestantes protestaram contra a PEC-37 (rejeitada por 430 votos contra 9 dia 25 de junho de 2013), PEC-33, contra a corrupção entre outras temáticas.

O assunto relacionado a movimentos sociais é sem dúvida um dos mais relevantes na atualidade e provavelmente será citado/cobrado nas provas de concursos. Vale a pena lembrar que as vinculações históricas dos movimentos e manifestações sociais no Brasil nos remetem ao ano de 1992 com os caras-pintadas e ao ano de 1984 com o movimento pelas diretas-já. Portanto, nos últimos 20 anos o Brasil foi palco de 3 grandes manifestações sociais que expressaram as contradições existentes na sociedade, e tentaram de alguma maneira exercer pressão social em prol de mudanças.

ALFARTANO você está preparado para escrever seu nome na história? 

O homem conta seus sonhos pelo ponteiro do relógio, mede sua vida pela quantidade de seus bens e desvia seu olhar das florestas vivas para os prédios que arranham os céus, como se quisessem provocar a ira do universo. Nessa perdição cosmopolita, o charme se desmancha no ar, e a fumaça dos canos automotores só desperta a ansiedade por saber que se esquece de onde vem, e não se sabe para onde vai.

Todos fazemos parte de uma história. Queiramos ou não, deixaremos algo e levaremos algo de nossa existência, e a essa conclusão já chegou, antes de mim, Antoine de Saint-Exupéry. (…) Não somos películas transparentes ao passarmos por aqui. Somos uma folha em que serão impressas as dores, desejos, sentimentos, satisfações e fatos ocorridos no mundo. (…) Uma coisa é verdade, cada indivíduo constrói a história e partilha do processo histórico. Você está prestes a escrever seu nome na história, não deixe essa chance escapar.