AINDA BEM QUE EXISTE A FRUSTRAÇÃO

Woman holding acorn in front of oak tree (Digital Composite)Salve, salve, Alfartanos! Vamos conversar um pouco sobre essa coisa chamada frustração! Você sabe o que significa essa palavra? Frustração é o sentimento decorrente da não realização de um desejo ou tendência, ou seja, é a reação diante da expectativa não correspondida. Para entender melhor, podemos dizer que é aquilo que sentimos quando algo que queremos ou esperamos não acontece. Essa não satisfação do desejo gera uma espécie de tensão interna, representada normalmente, como uma sensação de tristeza e aborrecimento ou, em alguns casos, de desespero.

Como diferenciar tristeza e frustração?

Apesar de apresentarem sintomas muito parecidos, os dois sentimentos têm origens e consequências bastante distintas.

Quando uma expectativa é frustrada, os sentimentos de tristeza levam a atitudes de mudança e a uma melhor adaptação do sujeito, que é completamente diferente dos casos de Depressão, por exemplo, em que a tristeza também é sintoma característico.

Por exemplo, para você que ainda não passou no concurso que gostaria. Quando há uma frustração, esse sentimento está ligado a essa situação específica e pode gerar o desejo de aprimoramento para continuar tentando até passar. No caso de uma Depressão, esse acontecimento seria apenas mais um dos motivos para o desânimo, uma vez que a tristeza não está ligada a causas específicas e pode imobilizar o sujeito. Por isso, não deixe a tristeza ganhar espaço em seu coração. A frustração poderá ser usada como a mola para impulsionar sua preparação ainda mais.

A frustração é importante?

Apesar de parecer um sentimento decorrente de situações de fracasso, a frustração é de extrema importância para a constituição psicológica dos indivíduos. Em níveis suportáveis, a falta, a carência ou a desilusão estão associadas ao desenvolvimento da capacidade de adiar gratificações, que é fundamental para a vida em sociedade. Ou seja, o ser humano precisa aprender a lidar com a ideia de que aquilo que queremos, nem sempre vem QUANDO queremos.

 Nesse sentido, evitar frustrações pode ser um dos fatores de uma formação adaptativa deficiente: uma criança muito protegida ou cujos desejos foram sempre imediatamente satisfeitos pode ter dificuldades em compreender a realidade da existência adulta, em que o desejo e a satisfação estão cada vez mais distantes e exigem cada vez mais trabalho e dedicação. Uma criança despreparada para suportar frustrações pode se transformar em um adulto que desenvolve crises emocionais por razões ínfimas ou que se sente constantemente insatisfeito.

Quando começamos no mundo dos concursos públicos, somos como crianças. Choramos demais ao invés de agir, reclamamos e fazemos beiço. Gostaríamos que tudo estivesse ao nosso alcance. Não sabemos esperar, e colocamos sempre a culpa de não termos passado em alguma coisa: Culpa dos outros, culpa da banca, culpa do tempo, culpa, culpa, culpa. Não existe culpa por não termos passado. O que existe é um tempo necessário para maturação e também mecanismos para uma boa preparação.

Na sociedade em que vivemos, o prazer e a satisfação são constantemente cultuados e a frustração aparece como a pior experiência. Todos os esforços estão voltados para evitá-la. A medicina se esforça para evitar as dores, entorpecendo seus pacientes. As escolas se esforçam para satisfazer os desejos de crianças e seus pais. As políticas públicas se empenham em produzir conforto psicológico, oferecendo a sensação de segurança que as pessoas necessitam para não pensarem em situações desconfortantes, como a realidade em que vivem. Nesse sentido, a inadaptação é generalizada: os adultos e crianças, incapazes de experimentar a frustração, porque foram despreparados para isso, são inundados por falsas realizações e se apegam ao conforto proporcionado artificialmente por elas. Falar em frustração está longe de se resumir ao sentimento de tristeza ou aborrecimento, antes disso, está na importância de ressaltar que a habilidade de adiar a recompensa é uma capacidade adaptativa que está sendo perdida por grande parte das pessoas.

Por isso Alfartanos, precisamos aprender a usar o poder da inversão. Transformar aquilo que seria motivo para desânimo, numa grande oportunidade de sucesso. Se ficarmos frustrados quando não conseguimos uma conquista, seremos igual a maioria, e a maioria é burra. Você gostaria de ser igual a maioria? Gostaria de fazer o que todos estão fazendo? Óbvio que não! Então não haja como a maioria! Tenha a postura de um vencedor. Vencedor é aquela pessoa que transforma a realidade ao seu favor, e vitorioso é o vencedor que conquistou o que desejava. Alfartanos, FORÇA!

 



122 comentários sobre:
AINDA BEM QUE EXISTE A FRUSTRAÇÃO

  1. Eduardo Brehm - RS comentou em :

    Baita texto!!!

  2. Wesley Brito/Campina Grande-PB comentou em :

    Muito bom.

    A caminhada é árdua mas a vitória é compensadora.

  3. heider comentou em :

    Parabéns Che pelo texto. Muito motivador. Abs

  4. Augusto Varella - Belém/PA comentou em :

    Excelente texto Che!

  5. samuca de souza comentou em :

    Muito bom mesmo, é difícil trocar o que somos pelo que queremos ser!!

  6. Marcelo Versiani comentou em :

    É isso aí!

  7. Diego Magalhães // Recife-PE comentou em :

    Valeu!

  8. João Paulo comentou em :

    Muito gratificante saber que temos pessoas como vocês para nos ajudar nessa longa caminhada vlw Che