História de superação!

vida de merdaMeus caros, costumo dizer que tudo que fazemos aqui não foi aprendido em livros, tampouco contato por alguém! Dessa forma, sabemos exatamente o que sente e o que esta vivendo, pois experimentamos cada segundo desse desafio que é o universo dos concursos!

 

Meus caros leitores, venho aqui com muito prazer relatar mais uma experiência de vida na tragetória dos concursos, o que mais me empolga nessa história é que não importa quantas vezes eu possa conta-la, ainda assim me emociono sempre!  Na verdade é a minha favorita, não que as outras sejam ruins ou menos importantes, nem de longe quero dizer isso, somente que essa é a que me marcou mais, por isso é com muita emoção que vou relatar essa passagem emocionante da minha vida que ocorreu em meados de 2008.

 O GORDINHO DA PRF
 
Era uma manhã terrivelmente quente, eu desci do ônibus que fazia a linha Cascavel – Cuiabá, imaginem só, eu sai por volta das 20 horas de Cascavel e cheguei bem de manhazinha em Cuiabá. O problema é que Cascavel fazia 18 graus e eu cheguei pela manhã em Cuiabá fazendo uns 38 graus. O bafo quente do ar quase me matou (risos).
Fui para o hotel e conheci diversas pessoas maravilhosas e cheias de sonhos de se transformarem em policiais rodoviários federais. A primeira parte já havia sido feita que era a prova objetiva, que diga-se de passagem foi extremamente concorrida.
No primeiro dia fiquei no hotel, tendo em vista que a prova física era somente dois dias depois da minha chegada. Dessa forma, tivemos tempo para ir ao local onde seria realizado a prova física e nos familiarizarmos com as condições do local, até então, tudo transcorria muito bem e sem tensão alguma.
O primeiro dia das provas físicas trouxe uma ansiedade a mais para nós que estávamos no hotel, isso se deu, pois toda hora chegava alguém dizendo que havia sido reprovado na prova física e que não sabiam explicar, pois nos treinos estavam conseguindo fazer tudo certinho. O maior problema é que minha prova era no segundo dia e aquelas informações estavam nos deixando loucos de preocupação. Contudo, não havia o que fazer e o macete era ficar dentro do quarto do hotel, pois em Cuiabá somente com ar condicionado você consegue ficar tranqüilo, tendo em vista que a temperatura beirava o ridículo, ou seja, chegava a fazer 48 graus a tarde, acreditem se quiser!
O DIA DA PROVA
 
Acordamos cedo, eu e alguns amigos que fiz lá no hotel, tomamos um café reforçado uma vez que nossa prova era logo no início da tarde e não dava para almoçar e depois efetuar as provas físicas. Chegamos ao local da prova por volta das 10 horas e descobrimos que ficaríamos esperando por um tempo até começar as provas.
Por volta das 13:30 horas fomos chamados em grupos de 13 pessoas, o meu grupo salvo engano foi o terceiro a ir para as provas. Meus amigos, acreditem ou não o termômetro marcava 52 graus, eu olhei para um rapaz que estava do meu lado e perguntei: – Meu brother, o termômetro deve estar maluco, pois não é possível fazer tanto calor assim, o que você acha? O legal foi que ele não respondeu, ele riu e enfiou o pé em um remendo de asfalto da pista de corrida e o engraçado é que o remendo de asfalto estava completamente mole (risos), ou seja, acho realmente que o termômetro estava quebrado, pois na verdade deveria estar fazendo uns 60 graus!
A PRIMEIRA PROVA:  BARRA FIXA
 
A primeira prova era a barra fixa. Aqui o candidato tinha que fazer no mínimo 3 barras para prosseguir a próxima fase, eu nessa época estava muito bem preparado e fiz diversas barras, muitas além do máximo e garanti a nota máxima nessa prova. Meus amigos, foi aqui, nesse momento histórico que conheci o cara mais fenomenal de todos os tempos, digo isso, pois através dele consegui ter esperanças nas pessoas e acreditar que tudo é possível, basta ter fé, força e muita perseverança!
 Assim que eu terminei de fazer a barra um rapaz baixinho e gordinho (gordinho é um modo carinhoso de dizer que o cara era muito gordo. Ele deveria ter mais ou menos um metro e sessenta e dizia ele pesar uns 92 quilos, vejam bem a relação peso altura) veio falar comigo e ele queria saber se era muito difícil. Bem, dizer o quê para o cara, eu somente disse que era tranqüilo e que dava para fazer sem problemas – menti descarado, pois na minha cabeça aquele gordo nunca iria fazer uma barra se quer.
Dessa forma, fiquei esperando ansioso para ver o gordinho na barra. Senhores e senhoras do meu Brasil, para meu espanto o cara pulou na barra e foi fazendo força e jogando os joelhoes no peito, tipo ganguru. Foi fazendo isso e fazendo muita força. A força era tanta que o cara ficou todo roxo, fez isso a primeira vez, baixou e efetuou a técnica de novo e com muito esforço conseguiu fazer a segunda, quando chegou a terceira eu pensei: – É ruim desse gordo fazer a última barra para completar três (o mínimo). E para meu espanto o cara foi, foi, foi, e FOI, chegou em cima passou o queixo e começou a gritar para o avaliador: – Valeu heim, valeu heim, eu consegui sim, eu consegui sim! O avaliador riu e disse: – Valeu sim meu filho você fez o mínimo.
 
Até aquele momento, tudo não havia saído tão do normal ainda e eu pensei: – Agora esse gordo se ferra, pois o salto vai ferrar com ele!
 
A SEGUNDA PROVA:  O SALTO
 
Essa prova era relativamente tranqüila, consistia em pular por uma distância com os pés juntos e ao aterrissar os calcanhares deveriam estar a frente da linha de marcação. Bem, eu pulei e nada de mistério, consegui um pouco acima do mínimo e tudo estava certo. Nesse ponto pensei, agora quero ver o gordinho pular!
Chegando a vez do gordinho todos da bateria já estavam meio que de orelha em pé para saber como ele iria. No primeiro salto foi algo hilário, pois o cara ao saltar escorregou para trás e caiu de peito no tatame e o pior é que não da para não rir e isso só piora a tensão na cabeça do cara.
Depois dessa falha, ele teria direito a uma segunda chance e ir para o final da fila. Assim ele esperou e ao final foi fazer a prova. Lembro como se fosse o hoje ele se postando, os olhos vermelhos, a pele extremamente suada. Ele olhava para os lados e tudo parecia em câmera lenta. O rapaz se postou e o examinador liberou o salto, senhores e senhoras ele saltou e ao aterrissar caiu para frente e saiu rolando pelo tatame, o detalhe é que os calcanhares dele caíram após a linha do mínimo para passar. Resultado, ele passou novamente com o mínimo.
A TERCEIRA PROVA:   NATAÇÃO
 
Essa prova era barbada, pois aqui não tinha tempo, só consistia em nadar por 50 metros (25 de ida e 25 de volta), aqui literalmente não tinha como dar errado, pois não tinha estilo, não tinha tempo. Era só não pisar no fundo ou não tocar nas bordas. Pois bem, para chegar a piscina tivemos que ir de van e dentro da van o cara me contou um segredo aterrador!
Acreditem ou não, ele me confessou que só havia aprendido a nadar uma semana antes dos exames e que não estava seguro se iria agüentar. Nesse momento eu pensei:  – Agora o gordinho se arrebenta, pois nadar é fogo, ou se sabe ou não se sabe nadar e ponto!
 
Descemos da van e colocamos a sunga no vestiário. Vocês podem pensar que estou de implicância, mas o cara de sunga parecia um pão malhado, isso mesmo, se você não consegue visualizar vá até a cozinha da sua casa, pegue um pão velho e molhe ele, depois de bem encharcado levante o pão e olhe seu formato gracioso, está ai o gordinho da PRF de sunga para a prova de natação!
 
Na hora da prova ele se preparou e o examinador apitou dando liberação para ele começar. Meus amigo, que cena engraçada, o cara pulou de barriga, uma super hiper barrigada e afundou feito uma pedra, sabe-se lá como, mas ele conseguiu emergir e começou ali uma experiência de pura dedicação!
Depois de emergir ele começou uma verdadeira luta contra a água, era muita pancada na água, muita mesmo até que ele se estabilizou no estilo “cachorrinho”. Nessa hora, os deboches já haviam cessado e o que restava era a torcida dos companheiros da bateria da prova e isso foi emocionante, pois o cara começou primeiro e todos foram na sequencia, pois íamos de 3 em três.
Acreditem meus amigos, todos foram e voltaram e o gordinho ainda não havia conseguido completar a prova. Dessa forma, deu tempo de acompanhar o restante da travessia da piscina. Posso afirmar para vocês que para mim a piscina era extremamente curta e fiz a prova rindo, mas para ele e naquela hora quando eu observava o esforço dele a piscina parecia gigantesca. Com muito esforço e dedicação e quase sem forças o cara conseguiu chegar e nessa hora todos estavam ou torcendo ou querendo ajudar o cara a sair da água. Posso afirmar que nessa hora fiquei sem palavras. Mais um ponto para o gordinho, ele estava aprovado na tereira prova!
O ÚLTIMO DESAFIO, A PROVA DE CORRIDA!
 
Aqui eu não tinha dúvida, o gordinho não fazia o tempo nem a pau e explico porque: Os critérios da prova física consistiam em que o candidato tinha que passar em todas as provas e ao final fazer uma média 4 (quatro) para poder passar. O problema é que o gordinho fez o mínimo em tudo, ou seja, tinha que fazer para alcançar a média na corrida o máximo.
Para fazer o mínimo na corrida o candidato tinha que fazer 2.400 metros em 12 minutos, isso não é difícil para quem está treinando, mas o problema é que ele deveria fazer 2.860 metros no mínimo para fazer o ponto que precisava para poder chegar a média geral e ser aprovado.
Meus caros e ansiosos amigos, leitores e alunos, posso afirmar que o que vou relatar agora é uma experiência que vivenciei em 2008 e que serviu para o meu sucesso futuro, foi a maior prova de força de vontade, perseverança e confiança em si mesmo que já presenciei nessa minha vida e que vocês ao lerem, não façam isso de forma displicente, ou seja, se estiverem cansados porque o texto é longo, parem por um minuto, lavem o rosto, tomem um café e retornem, pois vale muito a pena!
O GRANDE MOMENTO!
 
Colocamos os números nas camisas (aqueles que são afixados na parte da frente dos corredores para que a identificação fique visível) e o número do cara era 79 (nunca vou me esquecer). Nesse momento da prova deveria estar fazendo o pico da temperatura daquele dia, não da sequer para descrever o calor que eu sentia. O gordinho esta do meu lado e já fazia tempo que ele me sondava.
Antes de nos posicionarmos ele chegou até mim e perguntou: – Você vai correr para quantos metros e eu respondi: Olha, estou treinando a muito tempo e lá na minha cidade – Cascavel – dou duas voltas no lago fácil e tenho muita explosão, assim não tenho certeza mas vou correr para fazer uns 2.800 metros, pois pela minha preparação acho que corro sem problemas essa distância,mesmo não precisando de tanto.
Para minha surpresa ele fez um pedido inusitado: – Posso correr com você, pois preciso de 2.860 metros e sem estimulo ou alguém para eu acompanhar acho que não consigo. Eu nessa hora desesperei e disse: – Olha lá meu brother, se você encostar em mim e cairmos, se você me agarrar eu vou ser eliminado e vai dar merda entre a gente. Mas ele no auge do desespero quase chorando disse que a PRF era o sonho de vida dele, que ele era carioca e de família pobre, que não tinha mais dinheiro para nada e se não passasse ia ser uma tragédia para ele e para toda a família.
Bem, ouvindo aquele relato desesperado eu falei o seguinte para o gordinho: – Veja bem, você até pode tentar correr do meu lado, mas com certeza você não vai conseguir me acompanhar, pois estamos na última prova esta um calor de matar e você não esta muito preparado, mas pode tentar. Nessa hora meus amigos eu pensei o seguinte: – vou correr bem na largada assim esse gordo não me acompanha e não tem perigo de ele me derrubar ou me desclassificar. Meus amigos, você podem me achar cruel por pensar assim, mas nessas provas é que cada um por si e Deus por todos e o que todos querem é passar nas provas.
Depois de muito conversar  nos chamaram para o posicionamento da largada e lá estava eu o gordo e mais algumas pessoas que restaram na minha bateria e uma multidão de pessoas de olhos abertos para ver o “pão malhado” correr.
Os examinadores deram a largada e eu dei um split na saída e pensei: – Agora o gordo ficou para trás! E para a minha surpresa, quando olhei para o meu lado direito,lá estava o gordo, firme e forte. Meus caros, correr 2.860 metros em 12 minutos é coisa para atleta e nem eu sabia se iria conseguir.
De toda sorte, acertei o ritmo e fui firme, a primeira volta ele agüentou, a segunda também, para meu espanto já estamos na terceira volta e ele se mantinha firme. Contudo, o problema é que 2.860 metros eram 7 voltas e mais um pouco. Na quarta volta ele começou a fazer um barulho alto na respiração e na quinta volta começou a azedar tudo, ele literalmente roncava na pista. Na sexta volta ele começou a entortar para correr, é difícil explicar, mas ele ficou correndo com o lado direito do corpo arriado, uma coisa estranha de ser ver e a essa altura do campeonato ele roncava na respiração que parecia um bicho!
Quando entramos na última volta eu tinha programado um split, pois se não fizesse isso não completaria a distância e nessa hora eu pensei: – Agora o gordo enfarta e morre na pista. Senhores, por incrível que pareça a arquibancada estava em êxtase na torcida pelo gordinho, era uma agitação só e até garrafas de água mineral estavam sendo jogadas na pista.
A ÚLTIMA VOLTA!
 
Aqui foi emocionante, eu acelerei e o gordinho acelerou do lado, roncando, correndo de lado, babando e vermelho feito um pimentão, mas firme. Aceleramos naquele êxtase de competição e conseguimos terminar a sétima volta, foi quando ouvimos o apito para parar. Quando eu olhei para o lado para dar os parabéns no gordinho eu não consegui ver o cara e pensei que ele não tinha conseguido completar, mas pasmem, ele conseguiu fazer o que precisava, na verdade fez um pouco a mais que 2.860 metros e eu tinha feito cerca de 2.900 metros.
Após a corrida todos vieram parabenizar o gordinho, que a essa altura do campeonato estava sentado bufando feito um porco do lado da pista, mas o importante é que ele conseguiu o mínimo para atingir a média e passar na prova física.
Contudo, o mais empolgante e emocionante aconteceu depois, um instrutor da PRF que acompanhava as provas chegou perto do gordinho e disse o seguinte: – Vou ter orgulho de ter uma pessoa como você na corporação, hoje, estou orgulhoso de ter conhecido você!
 
Meus caros, as palavras do policial rodoviário federal, tenho certeza, foram as palavras de todas as pessoas que acompanharam aquele rapaz durante as provas físicas, por esse motivo, sinto-me um agraciado por Deus, por ter me dado a oportunidade de presenciar aquela experiência de tenacidade e empenho em busca de um fim!
Após as provas tudo voltou ao normal, fomos em um bar comemorar e lá estava o gordinho, feliz, muito feliz e comendo uma coxinha de galinha totalmente gordurosa e tomando quase um litro de coca cola, fazer o quê (risos)!
ConclusãoNão importa o tamanho do seu desafio, somente você e mais ninguém vai poder vencê-lo. Não sei o tamanho da sua mazela de vida, mas somente você poderá eliminá-la do seu coração, não sei o tamanho dos seus problemas, mas com perseverança, esforço e confiança em sua capacidade você poderá vencer os desafios dessa vida. Para tanto, vou deixar duas frases que aprendi ao longo da minha preparação para os concursos públicos e tenho certeza que elas vão tocar seu coração!
 
  • O sucesso é diretamente proporcional ao esforço desprendido para um fim!
  • Aquilo que depender de nós, deus não moverá uma palha!
  Fé, força e rumo à aprovação que Deus é Pai!!!
 


295 comentários sobre:
História de superação!

  1. Marciele comentou em :

    Cara esse cara é o cara, ótima essa história e vamos que vamos, pois depois desta só Jesus para segurar. Deus abençoe sua vida Evandro, pois tem nos mostrado a partir das suas experiências que nada é impossível para aquele que se esforça e se prepara.

  2. JULIO CESAR comentou em :

    show de bola …

  3. Debora Severo comentou em :

    Tanta coisa se passa na minha vida tenho vontade imensa de superar mas tudo puxa para baixo. Esse gordinho sirva de exemplo não só para mim.

  4. Daniela comentou em :

    kkkk muito legal seu relato Evandro. Esse momento de seu colega de prova relatado por vc é cômico.Mas é muito legal teu incentivo.

  5. Meire Oliveira comentou em :

    Emocionante, obrigada Evandro, essa história realmente é fantástica,me encorajando ainda mais para ter forças e não desistir dos meus sonhos…Obrigada.
    Meire-Cruzeiro do Sul-Acre

  6. Alan Alves comentou em :

    Evandro, eu não tô nem aí se não gosta de elogios…
    Mas você é sinistro, e com toda certeza do mundo, suas histórias de vida e textos de motivação são cruciais para nossa aprovação!
    Próximo concurso da PRF aguardo sua ligação, pois vou ser mais um aluno alfartano aprovado, se Deus assim permitir.

  7. Michael David comentou em :

    Muito bom!!!

  8. Gustavo comentou em :

    Fantástico!!!

  9. Andrezza comentou em :

    Caro Evandro, por essas e por outras que não podemos reclamar da rotina dos estudos e sim agradecer a superação que somente um guerreiro possui!!!!
    Bora estudar!!!

  10. Fabiano Montani comentou em :

    Poxa Evandro, eu estou estudando pra Ifpr á pra minha área (áudio e vídeo), comecei a uns 2 meses peguei até a apostila da minha esposa pois ela vai fazer TJPR, pois trabalho no TCEPr como operador de áudio e vídeo só que é terceirizado e no tempinho que não tem sessão plenária eu aproveito pra ver aula de português, Informática, atualidades e tô lendo regimento interno. Também gosto var os vídeos de motivação é show. esses dia dei uma relaxada e quando li esse documentário, desculpa chequei a emocionar-me. É, não podemos desistir “A caminhada é longa mas compensadora no final tudo irá bem” Já ouvir de caras que estão estudando que são concursado aqui no TCE e quando falei de Você o cara me disse : “É já ouvi deles eles São marrentos “eu disse a ele que não é bem assim é que a equipe Alfa fala a verdade e eu acho legal isso de professor faz toda aquela brincadeira e descontração mas, quando é pra falar coisa séria falam e ainda motivam seu “fieis” digo alunos!! um abraço Evandro e equipe Alfa sucesso!! pra mim também, FORÇA!

  11. Marcos Borges dos Santos comentou em :

    Nunca li algo tão fascinante e Verdadeiro! é muito empolgante saber que uma pessoa ultrapassou os próprios limites e transcendeu suas próprias expectativas em busca da única e indiscutível saída e rumo!
    é um TAPA na cara da gente, que está sempre com preguiça e deixando para depois.
    agradeço ao Evandro por nos postar algo tão emocionante

  12. Deise Christiane comentou em :

    Olá Evandro?
    vivo em Roraima e infelizmente só conheci o ALFA CONCURSOS a menos de um mês, através de um material que um professor estava vendendo. É isso foi a melhor coisa que poderia ter me acontecido, pois agora estudo os seus materiais todos os dias, virou uma rotina em minha vida.

    Esse relato seu, foi uns dos mais emocionantes que já ouvi. Pois na leitura de acordo como as palavras entravam em meu coração as lagrimas deslizavam em meu rosto descontroladamente, mais com o decorrer da história eu sorria descontroladamente até perde o folego.

    Bem o que importa é que esse relato de incentivo e motivação irei carrega-lo em meu coração para toda minha vida.

    Beijos.

    • Natasha comentou em :

      Roraima aqui o/

  13. Pedro Antônio comentou em :

    Emocionante, se não m segurasse muito abaria chorando, Evandro Obrigado pelo estimulo, são histórias como essas que fazem a gente nunca parar de estudar, e aguentar as pancadas da vida.

  14. Willian Costa comentou em :

    #partiu #estudar

  15. Meire Gomes da Luz - Palmas-TO comentou em :

    Valeu Evandro Guedes…

  16. Leandro Carneiro comentou em :

    Esse gordinho é um verdadeiro Rocky Balboa da PRF. Essa história é de dar um nó na garganta **… quem foi que disse que homem não chora?!

  17. KLEBER MARQUES comentou em :

    MUITO BEM EVANDRO,AS SUAS HISTÓRIAS DE MOTIVAÇÃO SÃO MUITO LEGAIS,PARA SEMPRE VOU ME ESPELHAR EM PESSOAS DE SUCESSO,EU SOU GRATO A DEUS POR TER CONHECIDO O EVANDRO E A EQUIPE ALFA, OBRIGADO EVANDRO POR TUDO,DEUS TE ABENÇÕE CADA VEZ MAIS.

  18. richard lima comentou em :

    Nossa que relato emocionante.
    Show cara de verdade.