SÉRIE QUESTÕES COMENTADAS PARA CEF!

 

Meus caros Alfartanos, estamos preparando para esse mês e o mês de abril uma sequência de materiais que ajudarão todos a alcançar a tão sonhada aprovação! Muitos Alfartanos estão matriculados no nosso online, mas sabemos da dificuldade financeira que todos passam e pensando nisso lançaremos muitos materiais e vídeos FREE! Segue questões de Português do professor Pablo Jamilk.

Dessa forma, ajudamos tanto os Alfartanos matriculados no online, como nossos queridos Alfartanos que estão sem condição financeira! Aqui no Alfa não trabalhamos com cursos, realizamos sonhos! 

Texto I

Vista cansada

 Acho que foi o Hemingway quem disse que olhava

cada coisa à sua volta como se a visse pela última

vez. Pela última ou pela primeira vez? Pela primeira

vez foi outro escritor quem disse. Essa ideia de olhar

pela última vez tem algo de deprimente. Olhar de despedida,

de quem não crê que a vida continua, não admira

que o Hemingway tenha acabado como acabou.

Se eu morrer, morre comigo um certo modo de

ver, disse o poeta. Um poeta é só isto: um certo modo

de ver. O diabo é que, de tanto ver, a gente banaliza

o olhar. Vê não vendo. Experimente ver pela primeira

vez o que você vê todo dia, sem ver. Parece fácil,

mas não é. O que nos cerca, o que nos é familiar, já

não desperta curiosidade. O campo visual da nossa

rotina é como um vazio.

Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta.

Se alguém lhe perguntar o que é que você vê no

seu caminho, você não sabe. De tanto ver, você não

vê. Sei de um profissional que passou 32 anos a fio

pelo mesmo hall do prédio do seu escritório. Lá estava

sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro. Dava-lhe

bom-dia e às vezes lhe passava um recado ou uma

correspondência. Um dia o porteiro cometeu a descortesia

de falecer.

Como era ele? Sua cara? Sua voz? Como se

vestia? Não fazia a mínima ideia. Em 32 anos, nunca

o viu. Para ser notado, o porteiro teve que morrer. Se

um dia no seu lugar estivesse uma girafa, cumprindo

o rito, pode ser também que ninguém desse por

sua ausência. O hábito suja os olhos e lhes baixa a

voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas,

bichos. E vemos? Não, não vemos.

Uma criança vê o que o adulto não vê. Tem olhos

atentos e limpos para o espetáculo do mundo. O poeta

é capaz de ver pela primeira vez o que, de fato, ninguém

vê. Há pai que nunca viu o próprio filho. Marido

que nunca viu a própria mulher, isso existe às pampas.

Nossos olhos se gastam no dia a dia, opacos. É por

aí que se instala no coração o monstro da indiferença.

 RESENDE, Otto Lara.

Disponível em: http://www.releituras.com/olresende_vista.asp

Acesso em: 21 dez. 2010. (Adaptado)

 

No primeiro parágrafo do Texto I, a conjectura feita pelo narrador “Pela última ou pela primeira vez?” (l. 3), no contexto em que se insere, encerra um juízo de valor que, semanticamente, se configura como um(a)

(A) desabafo

(B) revolta

(C) aprovação

(D) consternação

(E) contestação

Resposta: E

Comentário: pelo amor de Deus, Alfartano! Essa é muito fácil! Basta ver que há uma interrogação na sentença. Quem interroga da maneira que o Otto Lara Resende fez no texto está contestando a afirmativa anterior.

 

As passagens que, nos contextos em que se inserem, estabelecem entre si um contraste semântico são:

(A) “Um poeta é só isto:” (l. 9) e “Vê não vendo.” (l. 11)

(B) “O que nos cerca,” (l.13) e “o que nos é familiar,”(l. 13)

(C) “já não desperta curiosidade.” (l. 13-14) e “O campo visual da nossa rotina é como um vazio.” (l. 14-15)

(D) “você não sabe.” (l. 18) e “você não vê.” (l. 18-19)

(E) “Lá estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro.”

(l. 20-21) e “Dava-lhe bom-dia…” (l. 21-22)

 Resposta: A

 Comentário: essa também era muito fácil! Bastava observar que o comando da questão pede uma relação de contraste semântico entre as expressões do texto. Primeiro: entenda que contraste é DIFERENÇA! Segundo: veja que a relação é DENTRO DO TEXTO! Então, veja que da alternativa B a E, todas as referências estão relacionadas a TERMOS SEMELHANTES NO TEXTOS, a única referência que escapa é a da letra A, pois não versam sobre o mesmo assunto.

“O diabo é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar.” (l. 10-11)

Na linha argumentativa do texto, a oração “que a gente banaliza o olhar” em relação à oração “de tanto ver” encerra uma

(A) causa

(B) consequência

(C) conformidade

(D) condição

(E) concessão

Resposta: B

Comentário: bastava observar a conjunção consecutiva na sentença: tanto que. Decorem essas conjunções, alfartanos!

A passagem transcrita em que NÃO há correspondência entre o pronome destacado e o referente a ele atribuído é:

(A) “…como se a visse pela última vez.” (l. 2-3) – coisa

(B) “estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro.” (l. 20-21) – hall do prédio

(C) “Dava-lhe bom-dia…” (l. 21-22) – profissional

(D) “pode ser também que ninguém desse por sua ausência.” (l. 29-30) – girafa

(E) “O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem.” (l. 30-31) – olhos

 Resposta: D

 Comentário: direto na veia! O pronome “sua” faz referência a ausência do porteiro, não da girafa!

Em “O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem.” (l. 30-31), os sentidos das sequências em destaque são:

(A) aguça a atenção e distorce a percepção.

(B) embota a atenção e subtrai a percepção.

(C) amplia a visão e dificulta a percepção.

(D) impede a visão e aumenta a percepção.

(E) distorce a visão e corrige a percepção.

Resposta: B

 Comentário: preste atenção à significação das palavras e veja o que se pode permutar. Sujar vai ter sinônimo com embotar; baixar vai ter sinônimo com subtrair. Se houver dúvidas, imaginando que os outros termos também poderiam encontrar sinônimos, basta, então, observar que não há correspondência de sentido em pelo menos um dos termos nas demais alternativas.

Em relação aos dois últimos períodos do Texto I, afirma-se que a

(A) rotina é consequência do sentimento de indiferença familiar.

(B) indiferença é a causa da não percepção verificada entre os membros da família.

(C) ausência de percepção gera a rotina de vida.

(D) rotina leva à não percepção que, por sua vez, traz como consequência a indiferença.

(E) ausência de percepção é uma consequência da indiferença familiar.

Resposta: D

Comentário: simples! Apenas leia o último período do texto: “Nossos olhos se gastam no dia a dia, opacos. É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença.” O fato de os olhos ficarem gastos (rotina / não percepção) traz a indiferença como consequência.

Desenvolvendo-se a oração reduzida “Para ser notado,” (l. 27), tem-se:

(A) para ter sido notado

(B) para que fosse notado

(C) para que tenha notado

(D) para que seja notado

(E) para que se note

 Resposta: B

 Comentário: a oração estava reduzida de infinitivo. Vamos desenvolver inserindo a principal ao lado: Para ser notado, o porteiro teve que morrer. Agora, basta colocar a conjunção integrante e conjugar o verbo no subjuntivo: para que fosse notado.

Transpondo o período “Há pai que nunca viu o próprio filho.” (l. 36) para o plural e substituindo haver por outro verboou locução verbal de sentido equivalente, o período que NÃO apresenta ERRO quanto à concordância verbal é:

(A) Existem pais que nunca viram os próprios filhos.

(B) Devem haver pais que nunca viram os próprios filhos.

(C) Deve existir pais que nunca viram os próprios filhos.

(D) Hão de haver pais que nunca viram os próprios filhos.

(E) Há de existir pais que nunca viram os próprios filhos.

 Resposta: A

 Comentário: vou corrigir as sentenças, veja só:

(A) Existem pais que nunca viram os próprios filhos. (correta. O sujeito do verbo existir é o termo “pais”)

(B) Devem haver pais que nunca viram os próprios filhos. (verbo haver, no sentido de existir = nada vai para o plural)

(C) Deve existir pais que nunca viram os próprios filhos. (o sujeito de existir é pais, o “dever” vai para o plural)

(D) Hão de haver pais que nunca viram os próprios filhos. (verbo haver, no sentido de existir = nada vai para o plural)

(E) Há de existir pais que nunca viram os próprios filhos. (o sujeito de existir é pais, o “haver” vai para o plural)

9  “…e às vezes lhe passava um recado ou uma correspondência.” (l. 22-23) “isso existe às pampas.” (l. 37) Quais as locuções destacadas que encerram, respectivamente, as mesmas circunstâncias das destacadas nos trechos transcritos acima?

(A) Aos poucos, ele ia percebendo que não precisava mais dela. / Nada em volta causava mais surpresa.

(B) Saiu às pressas porque tinha um compromisso. / De vez em quando, é preciso repensar as estratégias.

(C) Vá em frente que você encontrará o que procura. / De modo algum aceitarei a proposta feita pelo meu superior.

(D) Em breve, estarei terminando de escrever minha biografia. / Trabalhou em excesso para apresentar seu projeto final.

(E) A notícia chegou de súbito causando, assim, um grande impacto. / Hoje em dia, as pessoas pensam mais nelas próprias.

 Resposta: D

 Comentário: o sentido das locuções destacadas é: às vezes (tempo); às pampas (intensidade). Isso possui correspondência com “em breve” e com “em excesso”.

10 A oração cuja classificação está INCORRETA é:

(A) “Se eu morrer,” (l.  8) – oração subordinada adverbial condicional

(B) “mas não é.” (l. 13) – oração coordenada sindética adversativa

(C) “O campo visual da nossa rotina é como um vazio.” (l. 14-15) – oração principal

(D) “Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta.” (l. 16-17) – oração absoluta

(E) “O hábito suja os olhos…” (l. 30) – oração coordenada Assindética

Resposta: C 

Comentário: para ser ORAÇÃO PRINCIPAL, deve haver uma subordinada. Na sentença em questão, não há!

11 “…que olhava cada coisa à sua volta…” (l. 1-2) “…que passou 32 anos a fio pelo mesmo hall do prédio do seu escritório.” (l. 19-20) Quanto às classes de palavras, os elementos destacados nas passagens acima são, respectivamente:

(A) conjunção e pronome relativo

(B) pronome indefinido e conjunção

(C) pronome relativo e advérbio

(D) preposição e conjunção

(E) partícula de realce e preposição

Resposta: A

Comentário: dizia que olhava cada coisa… (conjunção integrante = ligando a principal à subordinada) Um profissional que passou 32 anos (pronome relativo = pode ser permutado por o qual).




62 comentários sobre:
SÉRIE QUESTÕES COMENTADAS PARA CEF!

  1. Vladson Lima comentou em :

    Muito obrigado prof Pablo e td equipe do ALFA. Aproveitando a deixa, gostaria de saber do prof Pablo ou de algum Alfartano, se na redação da CEF ou até mesmo em algum outro concurso, é permitido fazer redação em letra de forma ???? Sei q pode parecer uma pergunta meio boba….mas fazer o q rsrsr…

  2. Murilo Sp comentou em :

    Pablo, Boa Tarde..
    Estou em duvida em relacao a Redacao da prova da Cef !
    Como que vai ser ?
    Obrigado, Abraco

  3. Bibiana comentou em :

    Obrigada equipe alfa, mas já abusando da paciência de vocês, será que vocês podem disponibilizar as questões em PDF, pois fica mais fácil a visualização.
    Abraço

  4. marcos mendes comentou em :

    Obrigado mais uma vez equipe alfa!!!

  5. Erinaldo - DF comentou em :

    Muito bom os comentários das questões Pablo. valeu

  6. Inacio Neto__PE comentou em :

    Valeu professor,

    tamo junto, vou fazer caixa,

    contudo, nem me pergunte onde consegui o dinheiro para inscrição e ainda viajar.

    estou tentando fazer os milagres do “Evandro”…kkk

    desistir jamais!!!!!!

  7. DENISE comentou em :

    Muito Obrigada Professor. Bom treino a todos.

  8. Lucas comentou em :

    Pablo..
    Gostaria de Saber se a Redacao na Prova da CEF é dissertativa ?
    E se vai ser junto com a prova objetiva e quantas horas de provas ?
    Abraco

    • Prof. Pablo Jamilk comentou em :

      Será no mesmo tempo da prova objetiva! Sim, o texto é dissertativo!

  9. Mara - Ba comentou em :

    Adorei o treino!

    Obrigada prof Pablo.

  10. Ju-Umuarama comentou em :

    Obrigada porfessor Pablo, obrigada equipe Alfa Deus abençoe vcs….
    Professor Pablo excelente questoes…..seus comentarios facilitam muito o nosso entendimento….ou seja bem mais facil para guardar,,
    Valeu mesmo, Deus te abençoe…
    Fé força e determinação…..

    • Evandro Guedes - Equipe Alfa Concursos comentou em :

      Opa, estamos sempre juntos e firmes na nossa preparação!

      Fé, força e rumo à aprovação!

  11. BARTIRIA DO NASCIMENTOP MATEUS comentou em :

    Boa Noite!!

    Obrigada pelas dicas!!!

    Bem que nessa série que o Jornal Nacional iniciou hoje sobre concursos/concurseiros/cursinho preparatória poderia ter uma reportagem sobre o Alfa!!! Heim??!!

    Deus abençõe a todos!

    Rumo agora aos estudos!

    • Caroline Bittencourt comentou em :

      Eu jurava que o Evandro iria aparecer falando sobre o árduo caminho de um concurseiro. Quem sabe ainda nas proxímas edições, falando sobre motivação, teremos uma surpresa?

  12. Laís comentou em :

    Valeuu prof, questões ótimas estilo cesgranrio mesmo
    Bão dimais, aprendi e treinei o q sabia.

    Braço.

  13. Roger comentou em :

    Muito legal Prof Pablo!
    Sou seu aluno no Alfa Online e estou gostando bastante das suas aulas, estão me ajudando a consolidar tudo que eu já estudei e aprendendo coisas que passavam batido antes…

    Gostaria de sugerir um post explicando especificamente como a CESGRANRIO aborda as questões de Lingua Portuguesa! Fica a dica pras outras matérias tb…

    Braço!!

    • Prof. Pablo Jamilk comentou em :

      Valeu pela ideia! Vou fazer!

  14. Naiane - Ba comentou em :

    Outra coisa, Pablo, você conhece o trabalho de algum desses cidadões? Vc teria indicação?
    Gabriel pereira e Gisele Sulsbach. Guia Prático de Discursivas. Editora Método
    Lilian Furtado e Vinicius Carvalho Pereira. Técnicas de Redação para Concursos. Editora Método

  15. Alessandro Gurski Matupá-MT comentou em :

    errei duas!!!!!!!!!
    preciso estudar mais s locuções adverbiais!!!
    prof a prova da cef será mais ou menos nesse padrão????

  16. Mirian comentou em :

    Prof Pablo
    Vc só corrige redação do presencial? E nós alunos do on line, como fazemos?

  17. Naiane - Ba comentou em :

    Não vou fazer CEF mas são sempre bem vindas!
    Pablito, tô adorando teu material de redação no on line e esperando por mais… é claro.

    Queria tirar uma dúvida: vc só corrige redações do presencial ou rola de vc ajudar com o on line, através de emails? tenho inumeras dúvidas particulares… preciso de orientação e por isso tô contigo agora e com intenção de estar sempre.

    E para de falar que esse bicho não é papão porque ele é sim. e eu tenho medo. hahahaha….
    Valeu.

  18. Kleber Ivanchuk comentou em :

    Série sobre concursos no JN, mas faltou algo essencial para que a matéria fosse plausível: A EQUIPE ALFA CONCURSOS!!! Onde você não adquire um curso, realiza um SONHO!!!

    Uhuu!

    FORÇA CAMBADA!

    • Cibele de Parnaíba-Pi comentou em :

      eu não entendi seu comentário Kléber…

    • Kleber Ivanchuk comentou em :

      Cibele, o Jornal Nacional iniciou hoje uma série de reportagens sobre concurso público, mas já no primeiro dia dá para ter uma ideia do teor da matéria… Hoje citaram, entre outras coisas, números dos concursos públicos no país, casos de sucesso, e alguns cursos que começaram com a iniciativa de concurseiros. Citaram a rede “Renato Saraiva” e tal, o que pretendi expor é que a matéria seria muitíssimo mais plausível se mostrasse o ALFA, que está com quase 1 milhão de acessos no site, obteve 23 primeiros lugares no INSS e mais de 250 aprovações, e tantas outras coisas…

      É isso!, rs

    • Cibele de Parnaíba-Pi comentou em :

      Ah tah, depois que li esse comentário, fui no site do JN e mandei a ele uma sugestão de reportagem.

      Vamos ver se ele vai atender o meu pedido!

    • cecilia comentou em :

      tbem vi a reportagem

    • Naiane - Ba comentou em :

      Legal a reportagem. Mas olha como são as coisas… um dos auditores que deu entrevista é da minha região e o moleque deve ter menos de 26 e já é auditor há uns 2 anos mais ou menos. Ai vc fala: e o kiko? rs

      O que eu quis dizer é que são esses exemplos que faz a gente querer se jogar e vencer cada vez mais. Eu por exemplo tenho 23 anos e “afe, Maria, papai do céu” como queria tá nesse mel. rsrsrs… matando de primeira mais de 13 mil conto, sabendo que vou ter férias, 13º e signifcantes regalias… sem mencionar a patente… hehehehe…. vamo estudar, galera, que o teco-teco maria fumaça sofre até virar o trem bala. kkkkk…

    • Aline comentou em :

      Bem legal a reportagem do JN. Vai ser uma série de reportagens sobre concursos e concurseiros, se não me engano vai ser durante a semana toda…vale a pena dar uma olhada!…FORÇA!!!

    • Laís comentou em :

      Quando assisti ao jornal lembrei da Equipe Alfa tbm,
      bem q poderia passar uma parte da matéria mostrando essa equipe maravilhosaa!

    • Joicy comentou em :

      Opa…
      Seria ótimo…
      “De Cascavel para o MUNDO!!!”

      Fé e mta força guerreiros!!!