PROJETO TODO MUNDO NA MADRUGADA!

RESUMO DA AULA DE LICITAÇÃO 2ª PARTE!!!

Meus caros alunos do twitter, estou postando o resumo da aula de hoje, sei que o tema é complicado, mas sei também que com um pouco de esforço tudo dará muito certo na vida de vocês, segue o resumo e questões de brinde!

OBRIGATORIEDADE DE LICITAÇÃO E CASOS DE EXCEÇÕES

A regra constitucional é pela obrigatoriedade para toda a administração pública no que tange a licitar para compras e alienações de bens e serviços. Contudo, a própria lei de licitação faz ressalvas a cerca da licitação, ou seja, por determinação legal pode haver a celebração do contrato administrativo sem a prevalência da obrigação de licitar e isso ocorre nos seguintes casos:

  1. 1.    Dispensa de licitação que se divide em:
    1. Licitação dispensada
    2. Licitação dispensável

                                          i.    Licitação deserta

                                         ii.    Licitação fracassada

  1. 2.    Inexigibilidade de licitação
    1. Quando ocorrer inviabilidade de competição.

 Exceções:

  • artigo 17 – licitação dispensada (a lei declarou-a como tal; não se faz licitação).
  • artigo 24 – licitação dispensável (a Administração pode dispensar se assim lhe convier)
  • artigo 25 – licitação inexigível (quando houver inviabilidade de competição)

 LICITAÇÃO DISPENSÁVEL

Artigo 24 – licitação dispensável

 (a Administração pode dispensar se assim lhe convier)

Na licitação dispensável a Administração tem a faculdade de não realizar o procedimento licitatório para algumas hipóteses determinadas na própria lei 8.666/93.

As situações nas quais a licitação poderá ser dispensável se encontram indicadas no art. 24, incs. I a XXVIII da Lei Federal n. 8.666/93.

  • Dessa forma, vamos ver cada uma das hipóteses de licitação dispensável, salientando que essa listagem também possui caráter taxativo a Administração pode dispensar se assim lhe convier)

. Devemos nos atentar, pois as questões de concursos nesse tópico costumam ser texto de lei, assim, ler e fazer a diferenciação entre licitação dispensável (artigo 24) e inexigibilidade de licitação (artigo 25) é de suma importância.

Art. 24.  É dispensável a licitação: 

  1. Para obras e serviços de engenharia de valor até 10% (dez por cento) do limite previsto na alínea “a”, do inciso I do artigo anterior, desde que não se refiram a parcelas de uma mesma obra ou serviço ou ainda para obras e serviços da mesma natureza e no mesmo local que possam ser realizadas conjunta e concomitantemente;

I – para obras e serviços de engenharia: 

a) convite – até R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais)

  1. Para outros serviços e compras de valor até 10% (dez por cento) do limite previsto na alínea “a”, do inciso II do artigo anterior e para alienações, nos casos previstos nesta Lei, desde que não se refiram a parcelas de um mesmo serviço, compra ou alienação de maior vulto que possa ser realizada de uma só vez;

 II – para compras e serviços não referidos no inciso anterior:a) convite – até R$ 80.000,00 (oitenta mil reais); 

 Nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem;

 Nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos;

 Quando não acudirem interessados à licitação anterior e esta, justificadamente, não puder ser repetida sem prejuízo para a Administração, mantidas, neste caso, todas as condições preestabelecidas;

Aqui vale ressaltar que temos a chamada licitação deserta, ou seja, quando a licitação é convocada e não aparece nenhum interessado. Nesse caso, torna-se inviável a licitação, e a Administração pode contratar diretamente, contando que motivadamente demostre que não ocorrerá prejuízo para a administração.

Não existe limite de valor para esse tipo de licitação e a única exigência é que as clausulas do contrato original sejam respeitadas.

     Aqui se faz necessário diferenciar licitação deserta de licitação fracassada. Temos licitação fracassada quando aparecem interessados, mas nenhum é selecionado, em decorrência de inabilitação ou desclassificação das propostas.

“§ 3º Quando todos os licitantes forem inabilitados ou todas as propostas forem desclassificadas, a administração poderá fixar aos licitantes o prazo de oito dias úteis para a apresentação de nova documentação ou de outras propostas escoimadas das causas referidas neste artigo, facultada, no caso de convite, a redução deste prazo para três dias úteis. “

Devemos nos atentar que em regra a licitação fracassada não representa uma forma de licitação dispensável. Assim, devemos aplicar o disposto no artigo 48 § 3º, da lei 8.666/93.

Quando a União tiver que intervir no domínio econômico para regular preços ou normalizar o abastecimento;

 Quando as propostas apresentadas consignarem preços manifestamente superiores aos praticados no mercado nacional, ou forem incompatíveis com os fixados pelos órgãos oficiais competentes, casos em que, observado o parágrafo único do art. 48 desta Lei e, persistindo a situação, será admitida a adjudicação direta dos bens ou serviços, por valor não superior ao constante do registro de preços, ou dos serviços;     

 Para a aquisição, por pessoa jurídica de direito público interno, de bens produzidos ou serviços prestados por órgão ou entidade que integre a Administração Pública e que tenha sido criado para esse fim específico em data anterior à vigência desta Lei, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado;

 Quando houver possibilidade de comprometimento da segurança nacional, nos casos estabelecidos em decreto do Presidente da República, ouvido o Conselho de Defesa Nacional;

 10. Para a compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento das finalidades precípuas da administração, cujas necessidades de instalação e localização condicionem a sua escolha, desde que o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo avaliação prévia;

 11. na contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento, em conseqüência de rescisão contratual, desde que atendida a ordem de classificação da licitação anterior e aceitas as mesmas condições oferecidas pelo licitante vencedor, inclusive quanto ao preço, devidamente corrigido;

 12. nas compras de hortifrutigranjeiros, pão e outros gêneros perecíveis, no tempo necessário para a realização dos processos licitatórios correspondentes, realizadas diretamente com base no preço do dia;

 13. na contratação de instituição brasileira incumbida regimental ou estatutariamente da pesquisa, do ensino ou do desenvolvimento institucional, ou de instituição dedicada à recuperação social do preso, desde que a contratada detenha inquestionável reputação ético-profissional e não tenha fins lucrativos;

 14. para a aquisição de bens ou serviços nos termos de acordo internacional específico aprovado pelo Congresso Nacional, quando as condições ofertadas forem manifestamente vantajosas para o Poder Público;

 15. para a aquisição ou restauração de obras de arte e objetos históricos, de autenticidade certificada, desde que compatíveis ou inerentes às finalidades do órgão ou entidade.

 16. para a impressão dos diários oficiais, de formulários padronizados de uso da administração, e de edições técnicas oficiais, bem como para prestação de serviços de informática a pessoa jurídica de direito público interno, por órgãos ou entidades que integrem a Administração Pública, criados para esse fim específico;

 17. para a aquisição de componentes ou peças de origem nacional ou estrangeira, necessários à manutenção de equipamentos durante o período de garantia técnica, junto ao fornecedor original desses equipamentos, quando tal condição de exclusividade for indispensável para a vigência da garantia;

 18. nas compras ou contratações de serviços para o abastecimento de navios, embarcações, unidades aéreas ou tropas e seus meios de deslocamento quando em estada eventual de curta duração em portos, aeroportos ou localidades diferentes de suas sedes, por motivo de movimentação operacional ou de adestramento, quando a exiguidade dos prazos legais puder comprometer a normalidade e os propósitos das operações e desde que seu valor não exceda ao limite previsto na alínea “a” do incico II do art. 23 desta Lei:

 19. para as compras de material de uso pelas Forças Armadas, com exceção de materiais de uso pessoal e administrativo, quando houver necessidade de manter a padronização requerida pela estrutura de apoio logístico dos meios navais, aéreos e terrestres, mediante parecer de comissão instituída por decreto;

 20. na contratação de associação de portadores de deficiência física, sem fins lucrativos e de comprovada idoneidade, por órgãos ou entidades da Administração Pública, para a prestação de serviços ou fornecimento de mão-de-obra, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado.

 21. para a aquisição de bens e insumos destinados exclusivamente à pesquisa científica e tecnológica com recursos concedidos pela Capes, pela Finep, pelo CNPq ou por outras instituições de fomento a pesquisa credenciadas pelo CNPq para esse fim específico;

 22. na contratação de fornecimento ou suprimento de energia elétrica e gás natural com concessionário, permissionário ou autorizado, segundo as normas da legislação específica;

 23. na contratação realizada por empresa pública ou sociedade de economia mista com suas subsidiárias e controladas, para a aquisição ou alienação de bens, prestação ou obtenção de serviços, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado.

 24. para a celebração de contratos de prestação de serviços com as organizações sociais, qualificadas no âmbito das respectivas esferas de governo, para atividades contempladas no contrato de gestão.

 25. na contratação realizada por Instituição Científica e Tecnológica – ICT ou por agência de fomento para a transferência de tecnologia e para o licenciamento de direito de uso ou de exploração de criação protegida.

 26. na celebração de contrato de programa com ente da Federação ou com entidade de sua administração indireta, para a prestação de serviços públicos de forma associada nos termos do autorizado em contrato de consórcio público ou em convênio de cooperação.

 27. na contratação da coleta, processamento e comercialização de resíduos sólidos urbanos recicláveis ou reutilizáveis, em áreas com sistema de coleta seletiva de lixo, efetuados por associações ou cooperativas formadas exclusivamente por pessoas físicas de baixa renda reconhecidas pelo poder público como catadores de materiais recicláveis, com o uso de equipamentos compatíveis com as normas técnicas, ambientais e de saúde pública.

 28. para o fornecimento de bens e serviços, produzidos ou prestados no País, que envolvam, cumulativamente, alta complexidade tecnológica e defesa nacional, mediante parecer de comissão especialmente designada pela autoridade máxima do órgão.

 29. na aquisição de bens e contratação de serviços para atender aos contingentes militares das Forças Singulares brasileiras empregadas em operações de paz no exterior, necessariamente justificadas quanto ao preço e à escolha do fornecedor ou executante e ratificadas pelo Comandante da Força.

 30. na contratação de instituição ou organização, pública ou privada, com ou sem fins lucrativos, para a prestação de serviços de assistência técnica e extensão rural no âmbito do Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária, instituído por lei federal.

 31. nas contratações visando ao cumprimento do disposto nos arts. 3o, 4o, 5o e 20 da Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, observados os princípios gerais de contratação dela constantes.

Parágrafo único. Os percentuais referidos nos incisos I e II do caput deste artigo serão 20% (vinte por cento) para compras, obras e serviços contratados por consórcios públicos, sociedade de economia mista, empresa pública e por autarquia ou fundação qualificadas, na forma da lei, como Agências Executivas.

 INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO

Artigo 25 – licitação inexigível

(quando houver inviabilidade de competição)

 A INEXIGIBILIDADE de licitação se faz quando houver inviabilidade de competição, em razão do bem ou serviço possuir singularidade de fornecimento, desde que, devidamente comprovada sua exclusividade, a contratação direta poderá ser efetivada.

 Devemos notar que o artigo 25 é um rol exemplificativo, ou seja, a administração no caso concreto pode prever outras situações em que ocorra impossibilidade jurídica de competição e que o serviço possua singularidade.

 Segue o artigo 25:

Art. 25.  É inexigível a licitação quando houver inviabilidade de competição, em especial:

I – para aquisição de materiais, equipamentos, ou gêneros que só possam ser fornecidos por produtor, empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a preferência de marca, devendo a comprovação de exclusividade ser feita através de atestado fornecido pelo órgão de registro do comércio do local em que se realizaria a licitação ou a obra ou o serviço, pelo Sindicato, Federação ou Confederação Patronal, ou, ainda, pelas entidades equivalentes;

II – para a contratação de serviços técnicos enumerados no art. 13 desta Lei, de natureza singular, com profissionais ou empresas de notória especialização, vedada a inexigibilidade para serviços de publicidade e divulgação;

III – para contratação de profissional de qualquer setor artístico, diretamente ou através de empresário exclusivo, desde que consagrado pela crítica especializada ou pela opinião pública.

§ 1o  Considera-se de notória especialização o profissional ou empresa cujo conceito no campo de sua especialidade, decorrente de desempenho anterior, estudos, experiências, publicações, organização, aparelhamento, equipe técnica, ou de outros requisitos relacionados com suas atividades, permita inferir que o seu trabalho é essencial e indiscutivelmente o mais adequado à plena satisfação do objeto do contrato.

§ 2o  Na hipótese deste artigo e em qualquer dos casos de dispensa, se comprovado superfaturamento, respondem solidariamente pelo dano causado à Fazenda Pública o fornecedor ou o prestador de serviços e o agente público responsável, sem prejuízo de outras sanções legais cabíveis.

Os serviços técnicos profissionais especializados que possibilitam a inexigibilidade, mas é fundamental atentar que não é a simples fato de um serviço enquadrar-se como serviço técnico profissional especializante que acarreta a inexigibilidade. É necessário que o serviço tenha natureza singular , ou seja, não pode ser usual, corriqueiro e por essa razão, justifique, a fim de garantir a sua satisfatória prestação, a contratação de um profissional ou de uma empresa de notória especialidade.

A regra geral é que a contratação de serviços técnicos profissionais especializados seja precedida de licitação na modalidade concurso (artigo 13 § 1º). Somente quando for serviço singular, prestado por profissional ou empresa de notória especialização, é que a licitação será inexigível.

LICITAÇÃO DISPENSADA

A licitação dispensada diferencia-se da dispensável pois nessa o administrador pode fazer ou não o procedimento, já na dispensada ele fica impedido de fazer pela própria lei. São os casos descritos no artigo 17.

As alíneas do inciso I do artigo 17 trazem a lista de hipóteses de dispensa de licitação em operações relativas a bens imóveis da Administração, enquanto as alíneas do inciso II do artigo 17 enumeram os casos de licitação dispensada para a alienação de bens móveis.

 

Art. 17.  A alienação de bens da Administração Pública, subordinada à existência de interesse público devidamente justificado, será precedida de avaliação e obedecerá às seguintes normas:

 

(DISPENSA DE LICITAÇÃO DE BENS IMÓVEIS)

I – quando imóveis, dependerá de autorização legislativa para órgãos da administração direta e entidades autárquicas e fundacionais, e, para todos, inclusive as entidades paraestatais, dependerá de avaliação prévia e de licitação na modalidade de concorrência, dispensada esta nos seguintes casos:

a) dação em pagamento;

b) doação, permitida exclusivamente para outro órgão ou entidade da administração pública, de qualquer esfera de governo, ressalvado o disposto nas alíneas f, h e i

c) permuta, por outro imóvel que atenda aos requisitos constantes do inciso X do art. 24 desta Lei;

d) investidura;

e) venda a outro órgão ou entidade da administração pública, de qualquer esfera de governo;

f) alienação gratuita ou onerosa, aforamento, concessão de direito real de uso, locação ou permissão de uso de bens imóveis residenciais construídos, destinados ou efetivamente utilizados no âmbito de programas habitacionais ou de regularização fundiária de interesse social desenvolvidos por órgãos ou entidades da administração pública;

g) procedimentos de legitimação de posse de que trata o art. 29 da Lei no 6.383, de 7 de dezembro de 1976, mediante iniciativa e deliberação dos órgãos da Administração Pública em cuja competência legal inclua-se tal atribuição;

h) alienação gratuita ou onerosa, aforamento, concessão de direito real de uso, locação ou permissão de uso de bens imóveis de uso comercial de âmbito local com área de até 250 m² (duzentos e cinqüenta metros quadrados) e inseridos no âmbito de programas de regularização fundiária de interesse social desenvolvidos por órgãos ou entidades da administração pública;

i) alienação e concessão de direito real de uso, gratuita ou onerosa, de terras públicas rurais da União na Amazônia Legal onde incidam ocupações até o limite de 15 (quinze) módulos fiscais ou 1.500ha (mil e quinhentos hectares), para fins de regularização fundiária, atendidos os requisitos legais;

 (DISPENSA DE LICITAÇÃO DE BENS MÓVEIS)

II – quando móveis, dependerá de avaliação prévia e de licitação, dispensada esta nos seguintes casos:

a) doação, permitida exclusivamente para fins e uso de interesse social, após avaliação de sua oportunidade e conveniência sócio-econômica, relativamente à escolha de outra forma de alienação;

b) permuta, permitida exclusivamente entre órgãos ou entidades da Administração Pública;

c) venda de ações, que poderão ser negociadas em bolsa, observada a legislação específica;

d) venda de títulos, na forma da legislação pertinente;

e) venda de bens produzidos ou comercializados por órgãos ou entidades da Administração Pública, em virtude de suas finalidades;

f) venda de materiais e equipamentos para outros órgãos ou entidades da Administração Pública, sem utilização previsível por quem deles dispõe.

Questões comentadas pelo professor

(Evandro Guedes)

 01-(ANALISTA ADMINISTRATIVO TRE/AP FCC 2006). É inexigível a licitação quando houver inviabilidade de competição, em especial:

(A) na contratação de fornecimento ou suprimento de energia elétrica e gás natural com concessionário, permissionário ou autorizado, segundo as normas da legislação específica.

Caso de licitação dispensável artigo 24 inciso XXII

(B) quando não acudirem interessados à licitação anterior e esta, justificadamente, não puder ser repetida sem prejuízo para a Administração, mantidas, neste caso, todas as condições preestabelecidas.

É caso de licitação dispensável. Aqui não apareceu nenhum interessado na licitação, é chamada de licitação deserta.

(C) quando a União tiver que intervir no domínio econômico para regular preços ou normalizar o abastecimento.

Caso de licitação dispensável, artigo 24 inciso VI

(D) nas compras de hortifrutigranjeiros, pão e outros gêneros perecíveis, no tempo necessário para a realização dos processos licitatórios correspondentes, realizadas diretamente com base no preço do dia.

Caso de licitação dispensável, artigo 24 inciso XII

(E) para contratação de profissional de qualquer setor artístico, diretamente ou através de empresário exclusivo, desde que consagrado pela crítica especializada ou pela opinião pública.

Correta: Texto de lei do artigo 25 inciso III. Típica questão que quer confundir o candidato entre licitação dispensável e inexigibilidade de licitação. Aqui candidato não tem jeito! O negócio é ler e gravar o extenso artigo 24 e o artigo 25. Boa sorte!

02-(ANALISTA ADMINISTRATIVO TRF 4ª R FCC 2010).  É dispensável a licitação

  1. na contratação de instituição brasileira incumbida, regimental ou estatutariamente, de pesquisa, do ensino ou do desenvolvimento institucional, ou de instituição dedicada à recuperação social do preso, desde que a contratada detenha inquestionável reputação ético-profissional e não tenha fins lucrativos.

Inciso XIII do artigo 24

  II. na contratação de associação de portadores de deficiência física, sem fins lucrativos e de comprovada idoneidade, por órgãos ou entidades da Administração Pública, para prestação de serviços ou fornecimento de mão de obra, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado.

       Inciso XX do artigo 24

   III. Para as organizações industriais da Administração Federal direta, em face de suas peculiaridades e cujos materiais sejam aplicados exclusivamente na manutenção, reparo ou fabricação de meios operacionais de infraestrutura.

         Não prevista

  IV. na contratação realizada por empresa pública ou sociedade de economia mista com suas subsidiárias e controladas, para a aquisição ou alienação de bens, prestação ou obtenção de serviços, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado.

Inciso XXIII do artigo 24

  V. na compra de bens de natureza divisível e desde que não haja prejuízo para o conjunto ou complexo, com vistas à ampliação da competitividade, podendo o edital fixar quantitativo mínimo para preservar a economia de escala.

Não prevista

Conforme a Lei, é correto o que consta APENAS em

(A)III, IV e V.

(B)II e III.

(C)I e V.

(D)I, II e IV.

(E)II, III e V.

Comentário: Questão covarde, pois o candidato tinha que gravar os 31 inciso do artigo 24 da lei de licitações, típica questão do chute, desculpe a franqueza!

Fé, força e rumo à aprovação!!!

Deus é Pai!!!



16 comentários sobre:
PROJETO TODO MUNDO NA MADRUGADA!

  1. Denise de Paula comentou em :

    Obrigada pelas aulas e pelo resumo Infelizmente não posso assistir aulas no presencial mas já estou fazendo a minha matricula no on line.

  2. Mickael Augusto comentou em :

    Valeu Profº Evandro! A aula sobre Licitação no projeto #TODOMUNDO NAMADRUGADA foi excelente. Apesar do tema ser difícil você conseguiu nos ensinar a essência, e isso facilitou bastante a compreensão! Quero agradecer a dedicação, a busca pela excelência e a liderança que você e a Equipe Alfa estão exercendo sobre mim e sobre vários alunos desse Brasil! A aprovação dos alfarianos será certa e maciça em 2012! Isso será reflexo direto do trabalho de vocês, que torna a nossa preparação muito mais fácil e forte. Quem souber aproveitar a energia da Equipe Alfa, mesmo estando a quilômetros de distância, conseguirá um diferencial muuito grande para conquistar o sonho da aprovação! Eu estou em Minas Gerais, mas quero ter a oportunidade de conhecê-los em Cascavel para dizer muito Obrigado pessoalmente! Vocês são “FODAAA”!!! RUMO A APROVAÇÃO! Abraço!

  3. noelton neves soares comentou em :

    Valeu professor, agora ta faltando mais aulão em video pra gente assistir pois sou de capanema pa.

  4. Raiani comentou em :

    Muito Obrigada!!!

  5. Ricardo Cavalcanti comentou em :

    Chegando super atrasado por motivos pessoais…mas li o resumo e pelo visto, só pra variar(hehehhe), a aula do Prof Evandro foi SHOW!!!

    Obg Prof Evandro e Equipe Alfa!

    #TODOMUNDONAMADRUGADA

  6. Edivaldo Miranda comentou em :

    Valeu Evandro as inovações da equipe Alfa tem nos ajudado muito
    Realmente a algo diferente não sei como explicar mas as videos aulas do alfa nos leva para um ambiente de motivação é muito real e muito interativa transmite não só conhecimento mas tambem força para buscar a vitoria nos concursos
    Descobrir o saite fez grande diferença na minha vida agora tenho força para buscar uma vaga nos concursos obrigada por tudo

  7. Kamila Marques comentou em :

    aula mega produtiva!!!…PARABÉNS !!!
    AGORA CADA UM SEGUE SUA MADRUGADA…
    TODOMUNDONAMADRUGADA!!!!

    BJO

  8. Mari comentou em :

    Antes de tudo meus parabéns Evandro por esta iniciativa.

    Gostaria de saber se vai continuar dando aula sobre licitação, temos ainda “modalidades da licitação”.

    grata

    • Denise de Paula comentou em :

      Ele falou sobre modalidades de licitação na madrugada do dia 18. Foi a primeira aula….

  9. Ronaldo K comentou em :

    Valeu Evandro!!! Obrigado

  10. Cleiton Noetzold comentou em :

    Muito bom, Obrigado por mais essa ajuda a nós !

  11. Thais Vieira comentou em :

    UHUUUUUUUU otima aula professor Evandro!
    Otima ideia de ajudar a otimizar nossos estudos na madrugada

    vamos Alfartanos firmes nos estudos!

    #TODOMUNDONAMADRUGADA

    • Rebecca Bernardes von holter comentou em :

      É isso mesmo ,Thaís !!!

  12. Japa comentou em :

    Valeu Evandro! #TODOMUNDONAMADRUGADA até nos Fins de semana!!! firmes e fortes!

  13. Dangela Perufo comentou em :

    Esse resumo vai ajudar muito!
    Projeto #TODOMUNDONAMADRUGADA ajudando os alfartanos no caminho do aprovação!

    Aula show do Prof. Evandro Guedes!

    Fiquem com Deus!

    Até amanhã no simulado!

    • Rebecca Bernardes von holter comentou em :

      Parabéns pela excelente aula ,Evandro Guedes .
      Muito obrigada por nos ajudar =)